Copa de 1982

Copa de 1982
Lembranças da Copa do Mundo de 1982: veja o artigo que escrevi sobre o melhor mundial de todos os tempos

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

São Paulo Railway Athletic Club - extinto - em 'carinhas' 1944

Agradecimento especial ao amigo David Vaz, de Minas, que me enviou mais preciosidades de times que fizeram história do futebol paulista e brasileiro. Desta vez o antigo SPR, que virou Nacional Atlético Clube. Os botões são Gullivers originais acrílicos ou cristais dos anos 70 e o esquadrão pertence a primeira metade dos anos 40.

O SPR Athletic Club foi fundado em 16 de fevereiro de 1919, pelo inglês Arthur J. Owen, superintendente da estrada de ferro 'São Paulo Railway', com a finalidade de fazer com que os funcionários pudessem praticar o esporte. Em 1966 foi promovido para a divisão principal, ao lado do São Paulo Alpargatas, que era tido como o 'verdadeiro campeão amador da capital'. Tendo em vista a estrada de ferro passar a se chamar Santos-Jundiaí, o SPR mudou seu nome em 1946 para Nacional Atlético Clube, o querido Naça da Barra Funda.
S.P.R em sua última apresentação no Pacaembu. No segundo tempo eles já mostrariam a nova camisa do Nacional. O time nasceu a partir da Companhia Ferroviária de mesmo nome. 
Foto da Estação

Entre suas principais conquistas estão o Torneio Início de 1943, o Torneio Amistoso do Paraná, em 1939, e um vice-campeonato em 1933 do Campeonato Paulista de Futebol Amador (FPF).
Fonte de pesquisa: Almanaque Esportivo Olympicus, acima, datado de 1943 e blog Cacellain
Um dos grandes nomes do extinto time, segundo meu almanaque
1941 - Revista Sport Ilustrado
A evolução dos escudos até chegar no conhecido Nacional da Barra Funda

sábado, 16 de setembro de 2017

Comercial da capital (SP) - extinto - botões 'Canoinhas' da Estrela 1961

Agradecimento especial ao amigo David Vaz, de Minas Gerais, que me presenteou com esse esquadrão histórico do 'O mais simpático', do fim dos anos 30, nos botões originais 'canoinhas', da Estrela. Muito obrigado, David, que Jesus te ilumine SEMPRE. 
Belíssimo reforço para meu torneio de 'carinhas'.
O Comercial FC foi uma agremiação da capital paulista. A sua sede ficava na Praça Clóvis Bevilacqua. A equipe alvirrubra foi uma das fundadoras da Federação Paulista de Futebol. Um grupo de esportistas ligado à Associação Comercial de Esportes Atléticos (ACEA) fundou o clube em abril de 1939, propondo ao Lusitano Football Club a substituição do nome para Commercial Football Club. 
Esses esportistas sabiam que o Lusitano pretendia se retirar do Campeonato Paulista e comprometeram-se a formar uma equipe com os melhores jogadores que pudesse dispor, permitindo também que os associados se tornassem remidos da nova agremiação. Assim nascia um novo clube, o querido Comercial, que mandava sempre seus jogos mais importantes no Pacaembu.
Fonte maravilhosa acima de informação que foi colhida no meu antigo 'Almanaque Esportivo Olympicus', datado de 1943. Relíquia para pesquisadores do futebol.
Esquadrão histórico de 1939-1940
'Canoinhas' da Estrela  
fontes de pesquisa e fotos históricas: TerceiroTempo e Cacellain
1943
1940´s
1948 - 'Balas do Futebol'
Objetivo
O clube tinha como ideia ser o segundo time de todo o mundo! Seu apelido, inclusive, era "O MAIS SIMPÁTICO', que, juntamente com seu mascote, reforçava a imagem de atrair o torcedor de outros times. Durante a década de 50 possuiu em seus quadros jogadores que iriam 'brilhar' mais tarde nos clubes grandes de SP, tais como Dino Sani e Gino Orlando. Além desses craques, o Comercial revelou outros grandes nomes da época como Nelsinho que chegou a vestir a camisa da seleção, Mario Cesar Hernandez (goleiro) e Itálo que acabou se transferindo para o Palestra Itália.
União com o São Caetano Esporte Clube
Em 1953, a equipe fundiu-se com o São Caetano Esporte Clube, dando origem à Associação Atlética São Bento. Mas este durou apenas 04 anos; com a separação, em 1957, o Comercial volta a disputar o Paulistão no ano seguinte, mas não repete as mesmas campanhas de sua primeira fase. Cai para a segunda divisão em 1960 e para a terceira em 1961, quando a equipe profissional foi desativada.
 Participação no Paulistão
Participou 19 vezes do Campeonato Paulista de Futebol. Seu presidente mais ilustre e conhecido foi o saudoso Capitão Oberdan de Nicola. 

terça-feira, 12 de setembro de 2017

Bahia - Gulliver 'carinhas' original de 1977

Botões para Sempre traz mais raridades dos melhores botões de 'carinhas' de todos os tempos que foram feitos pela gigante Gulliver de São Caetano do Sul/SP. 
Esse time eu não tinha quando criança. Na minha visão os mais difíceis de aparecer são os do Nordeste, especialmente o Vitória. Na região Sul, o Coritiba.
Seja bem-vindo, Bahia, de tanta tradição no futebol brasileiro.
Douglas, Sapatão, Fito e Baiaco: estrelas dos anos 70
1971
1974
1976
1977
Foi essa foto da Placar que a Gulliver estampou seus guerreiros em miniatura de 1977
1978
1971
1978
1979
Estrelas do time da Gulliver: Jésum
Jorge Campos
Toninho

Dúvida de um seguidor

Um seguidor do blog que acompanha sempre as postagens saudosistas de Botões para Sempre me perguntou:
"Ricardo, quanto você acha que vale esses botões de carinhas"?
A pergunta estava num Gulliver carinhas de 1977.

A resposta de Botões para Sempre:

Na minha opinião, como colecionador/botonista desde os quatro anos de idade: esses botões de carinhas se estendem não apenas aos Gullivers, mas também aos da Estrela de canoinhas e panelinhas dos anos 60, aos Jofer 'Craks da Pelota' de 1970-1971 e aos Onze de Ouro feitos pela Editora Saravan em 1964-65.

Vamos lá, para mim, é o seguinte:

1- Completo SEM a CAIXA. 10 jogadores de linha + goleirinho. Depende do estado de conservação. De 30 a 50 $
2- Completo NA CAIXA ORIGINAL: 10 jogadores de linha + goleirinho. Depende do estado de conservação. De 50 a 100 $

Do resto e ao contrário, já sabemos, vivemos num país tão desmoralizado do ponto de vista do Executivo, o que esperar de vendedor de 'quinquilharia'?

Nesse país também uso a mesma expressão de nossos governantes:

No mundo de objetos colecionáveis, sejam estes botões antigos de 1950/60/70/80, selos, postais, carrinhos em miniatura, figuras em ação, bolinha de gude, CADA Um quer DERRUBAR O OUTRO. 
abs, Ricardo

segunda-feira, 11 de setembro de 2017

'A máquina de jogar futebol de botão' - Gulliver original 1977

Botões para Sempre apresenta:
MÁQUINA TRICOLOR RJ - 1977 
GULLIVER 'CARINHAS' ORIGINAL, NA CAIXA, DATADA DE 11/11/1982
O blog publica mais um time original da Gulliver em 'carinhas' da histórica coleção 'Grandes Times do Futebol Brasileiro'. Falta pouco...Muito pouco para completar essa coleção que foi a primeira que tive contato no botonismo com apenas 04 anos de idade! A curiosidade fica por conta de mais uma novidade jornalística: Podem perceber que até o fim de 1982, os grandes magazines da época ainda vendiam essas relíquias. Portanto, até onde sabemos, novembro de 1982 é o limite. Começou em 1977 nas primeiras versões. Em 1978 mais versões dos grandes paulistas, como o Bugre e a Seleção. E a produção dos 21 selecionados se estendeu em vendas nas lojas até, por enquanto, 1982.

No início dos anos 70, o Flu demonstrava que aquela seria a sua década de ouro. O título nacional conquistado em 1970 foi apenas uma prévia do que viria pela frente. Naquele ano, o time ganharia pela primeira vez o apelido de 'máquina', por jogar de maneira extremamente eficiente, técnica e dinâmica, e, acima de tudo, com um pleno futebol arte. Foi em 1975 que aquele time virou mesmo uma máquina, a 'Máquina Tricolor'. Para 'pilotar' aquele esquadrão com só mesmo um craque que brilhara na seleção brasileira de 70 e que acabara de sair do seu ex-clube, o Timão: ele, o Mestre Riva. E ele não decepcionou. Viveu uma grande fase no tricolor carioca e conduziu o time em apresentações memoráveis e dos títulos incontestáveis: 75 e 76. O clube fez tanto sucesso que passou a excursionar pela Europa e a encantar outras plateias de amantes do futebol arte. 
Em 1977, ano da produção da coleção dos Gullivers 'carinhas', o Fluminense conquistaria mais um título internacional, o troféu Tereza Herrera, ao vencer o Feyenoord por 2 a 0 e golear o Dukla Praga da antiga Tchecoslováquia (então base da seleção campeã da UEFA Euro de 1976) por 4 a 1! Rivellino, Doval, Edinho, Marinho, Rubens Galaxe ainda estavam presentes no clube.
fonte de texto: Imortaisdofutebol
Outro Fluminense original ainda mais antigo da Gulliver: de 1975
Foi essa imagem (da Revista Placar) que a Gulliver reproduziu nos seus guerreiros em miniatura, de 1977
Bela imagem do campeão de 1970
1975
Pra você, Mestre Riva!

Saudoso Marinho Chagas: gênio e uma lenda